px acessibilidade mapa do site contactos pesquisa área de entidades copyright       
px
px Delegação px Noticias px Eventos px Entidades px Museu px Formulários px FAQ px Hiperligações px Procedimentos Concursais Comuns px Contratação Pública px
px
px
Distrito de Leiria   Distrito de Coimbra   Distrito de Coimbra (2)   Distrito de Viseu   Distrito de Aveiro   Distrito de Aveiro (2)
px

Museu > Distrito de Aveiro > Concelho de Anadia >
Monumento a Manuel Rodrigues Lapa

Autor: António Nobre

Localização: Anadia. Rua Prof. Doutor Manuel Rodrigues Lapa

Data de Inauguração: 19-04-1997

Promotor: Câmara Municipal de Anadia

Materiais: Bronze, betão

Dimensões: Busto: 70cm; pedestal: 180cm x 76cm x 50cm; pórtico: 700cm x 450cm x 1000cm

Descrição: Conjunto escultórico, constituído por um busto e por um pórtico. O busto de cariz naturalista retrata o homenageado, sobre um pedestal paralelepipédico, enquanto o pórtico de composição geométrica se dispõe numa boa conjugação de luz e sombra, concebendo um certo equilíbrio ao conjunto.
O autor pretende que este pórtico “simbolize a abertura para a liberdade das ideias, dos actos e das pessoas, como a de alguém que em vida foi vertical no pensamento”.

Historial: Manuel Rodrigues Lapa (1897-1989), nasceu em Anadia, foi Filólogo, ensaísta e crítico literário português. Licenciou-se em Filologia Românica em 1919 na Faculdade de Letras de Lisboa, leccionou em Liceus e na mesma faculdade onde se licenciou, doutorou-se (1929-1930) em Paris com a tese “Das Origens da Poesia Lírica em Portugal na Idade Média”, que ficou conhecida como um dos estudos fundamentais sobre a lírica trovadoresca.
Sendo um opositor da política salazarista, em 1935 é demitido de leccionar, não tendo voltado a faze-lo em academias portuguesas. Sobreviveu durante algum tempo com as muitas publicações e com os curso particulares que fazia. Dirigiu “O Diabo” (1935-1937). A partir de 1954 viaja para o Brasil onde se dedicou à investigação e ao ensino, fixa-se como professor universitário de Belo Horizonte em 1957 e mais tarde no Rio de Janeiro.
Regressando a Portugal em 1962, onde dirige a “Seara Nova”. Mais tarde, manifestando o seu apoio a Norton de Matos, é obrigado a exilar-se em Paris, continuando aqui como investigador e professor até ao “25 de Abril”, quando regressa a Portugal.

Bibliografia: - MOTA, Arlindo, SOARES, Pedro, 25 de Abril na Arte Pública Portuguesa, Formas de Liberdade, pg. 99, 1ª ed., 1999


Fotógrafo: José Menezes
Ano de Registo Fotográfico: 2005
 Monumento a Manuel Rodrigues Lapa px