px acessibilidade mapa do site contactos pesquisa área de entidades copyright       
px
px Delegação px Noticias px Eventos px Entidades px Museu px Formulários px FAQ px Hiperligações px Procedimentos Concursais Comuns px Contratação Pública px
px
px
Distrito de Leiria   Distrito de Coimbra   Distrito de Coimbra (2)   Distrito de Viseu   Distrito de Aveiro   Distrito de Aveiro (2)
px

Museu > Distrito de Leiria > Concelho de Pombal >
BUSTO DO MARQUÊS DE POMBAL

Autor: busto: Fernandes de Sá (1874-1959);
pedestal: Ernesto Korrodi (1870-1944)

Localização: Pombal, Freguesia de Pombal, Jardim Municipal do Cardal
Coordenadas: 39° 54' 56.99"N 8° 37' 43. 11’’W

Data de Inauguração: 1907

Promotor:

Materiais: Busto em bronze e pedestal em pedra calcária

Dimensões:

Descrição/ Tema: Busto em bronze, de inícios do século XX, numa gramática semelhante a outras obras do autor, nomeadamente à estátua de Manuel Fernandes Tomás (1911), na Figueira da Foz. Assenta sobre um alto pedestal decorado com frisos e outros ornamentos usados na arquitetura, à semelhança de vários monumentos de finais do século XIX, inícios do século XX.

Historial: Obra mandada erigir em homenagem ao Marquês de Pombal - Sebastião José de Carvalho e Melo (1689-1782), político e diplomata português. Recebeu o título de Conde de Oeiras em 1759 e o de Marquês de Pombal em 1769. Foi embaixador no reinado de D. João V, e no reinado seguinte, com D. José, torna-se ministro do reino e ganha a confiança do monarca, sobretudo a partir da altura do grande terramoto em 1755, pela sua enorme capacidade de lidar com a tragédia que se abateu sobre o país. Desde que ganhou poderes dedicou-se a reforçar o domínio do rei, reduzindo o poder de alguma nobreza, designadamente com o polémico processo dos Távoras, família nobre acusada de atentar contra a vida do monarca, vindo o Marquês de Távora e a sua mulher a ser torturados executados. A mesma razão de concentração do poder leva o Marquês de Pombal, a expulsar os Jesuítas de Portugal e a confiscar os seus bens. Promove a reforma do ensino, com a adoção de novos métodos pedagógicos e a criação de novas escolas, entre as quais o Real Colégio dos Nobres. Entretanto com as dificuldades financeiras do país, agravadas pela falta do ouro do Brasil, Marquês de Pombal adota a política de fomento industrial, antes iniciada pelo Conde da Ericeira. As suas atitudes de abuso do poder, nomeadamente retirada de poder às grandes famílias, geraram inimizades, que com a morte de D. José, se insurgiram contra ele, levando à sua retirada do poder e “exilio” na sua casa de Pombal.

Bibliografia: PEREIRA, José Fernandes, Dicionário de Escultura Portuguesa, pg. 617-622, Lisboa 2005;
http://www.cm-pombal.pt/conhecer_pombal/about_pombal/monumentos.php [consult. 2012-02-29];
http://www.realistas.org/modules/news/article.php?storyid=61 [consult. 2012-03-09];
http://maps.google.pt/ [consult. 2012-03-26];

Fotógrafo: Susana Paiva

Ano de Registo Fotográfico: 2004

 BUSTO DO MARQUÊS DE POMBAL px