px acessibilidade mapa do site contactos pesquisa área de entidades copyright       
px
px Delegação px Noticias px Eventos px Entidades px Museu px Formulários px FAQ px Hiperligações px Procedimentos Concursais Comuns px Contratação Pública px
px
px
Distrito de Leiria   Distrito de Coimbra   Distrito de Coimbra (2)   Distrito de Viseu   Distrito de Aveiro   Distrito de Aveiro (2)
px

Museu > Distrito de Aveiro > Concelho de Mealhada >
SEM TÍTULO

Autor: Fernando Conduto
Localização: A1, Área de Serviço de Mealhada / Cantanhede, sentido Sul / Norte
Data de inauguração: Ano 2000
Promotor: Brisa – Auto-Estradas de Portugal
Materiais: Aço corten
Dimensões: 1,50m x 1,5om x 1,50m
Descrição: Nesta escultura, em aço laminado corten, sentimos o apelo do artista às formas primeiras do geometrismo claro. Num eixo marcadamente vertical uma forma rectilínea que tem na sua base um volteamento, parece rodar não só um triângulo equilátero, com a circunferência tocando-lhe, como também uma outra forma. Embora não contenha uma grande imponência pelas dimensões, a sua harmonização é perfeita. Existe um apelo que se pretende descodificado por cada observador perante tal obra e, parafraseando o escultor, «é do apelo, do silêncio das formas e volumes que eventualmente se estabelece a comunicação: o ver depois do olhar».
Historial: Em 4 de Junho de 1992 o protocolo celebrado com a Secretaria de Estado da Cultura veio consagrar o papel relevante da Brisa como mecenas das artes e da cultura. O acordo afirmado foi mais longe incluindo a intenção de desenvolver manifestações de âmbito artístico e cultural. Deste modo as estações de serviço constituindo-se como zonas de lazer poderiam igualmente servir como espaços privilegiados de divulgação e promoção quer das regiões servidas pelas auto-estradas quer da própria cultura e arte portuguesa. O princípio estabelecido foi lançado nos cadernos de encargos dos concursos de construção, equipamento e exploração de áreas de serviço que a Brisa resolveu subconcessionar.
Na obra de Fernando Conduto persiste a procura de uma clarificação da especificidade da linguagem escultórica, colocando problemas de ordem estática e fundando-se em noções de equilíbrio, instabilidade, apoio ou contrapeso que parecem desafiar permanentemente a gravidade e a ordem natural dos corpos no espaço. Como o próprio referiu «os “adereços escultóricos” que crio para o espaço urbano só têm sentido se tiverem mistério e forem inigmáticos, de modo a fazerem desviar o olhar».
Bibliografia: OLIVEIRA, Paulo; HALL, Aline Gallash; GONÇALVES, Maria José, Arte nas Auto-Estradas, Brisa. Lisboa, 2001.
PEREIRA, José Fernandes, Dicionário de Escultura Portuguesa, Lisboa, 2005.
Fotografo: DRCC
Ano de Registo Fotográfico: 2010
 SEM TÍTULO px
 
 
Itens no mesmo Concelho