px acessibilidade mapa do site contactos pesquisa área de entidades copyright       
px
px Delegação px Noticias px Eventos px Entidades px Museu px Formulários px FAQ px Hiperligações px Procedimentos Concursais Comuns px Contratação Pública px
px
px
Distrito de Leiria   Distrito de Coimbra   Distrito de Coimbra (2)   Distrito de Viseu   Distrito de Aveiro   Distrito de Aveiro (2)
px

Museu > Distrito de Aveiro > Concelho de Mealhada >
SEM TÍTULO

Autor: Fernando Conduto
Localização: A1, Área de Serviço de Mealhada / Cantanhede, sentido Norte/Sul
Data de inauguração: Ano 2000
Promotor: Brisa – Auto-Estradas de Portugal
Materiais: Aço corten
Dimensões: 7,50m x 4,00m x 1,50m
Descrição: A escultura que se encontra no sentido Norte/Sul é constituída por uma coluna imponente a qual por sua vez tem no seu cume três lâminas de aço corten conexas. As peças interagem, cruzam-se, integram-se numa ideia de vias, caminhos, dentro de uma leitura individual numa abrangência minimalista que é própria do percurso artístico do escultor.
Reduzida às suas linhas essenciais e com recurso explícito ao rigor geométrico mecânico proporcionado pela tecnologia industrial, Fernando Conduto desenvolveu uma linguagem puramente abstracta, objectiva e anónima, livre de qualquer referência supérflua ou gesto expressivo. O peso do metal converte-se num valor explícito, tanto quanto a instabilidade do seu equilíbrio, a leveza do seu desenho ou a densidade sugerida pela sua massa.
Historial: Em 4 de Junho de 1992 o protocolo celebrado com a Secretaria de Estado da Cultura veio consagrar o papel relevante da Brisa como mecenas das artes e da cultura. O acordo afirmado foi mais longe incluindo a intenção de desenvolver manifestações de âmbito artístico e cultural. Deste modo as estações de serviço constituindo-se como zonas de lazer poderiam igualmente servir como espaços privilegiados de divulgação e promoção quer das regiões servidas pelas auto-estradas quer da própria cultura e arte portuguesa. O princípio estabelecido foi lançado nos cadernos de encargos dos concursos de construção, equipamento e exploração de áreas de serviço que a Brisa resolveu subconcessionar. A solução encontrada para atingir os objectivos propostos recaiu sobre a escultura, ou painéis cerâmicos, mas cuja escala e tridimensionalidade fosse susceptível de fixar a atenção dos observadores em movimento que viajam e param nas estações de serviço.

Bibliografia: OLIVEIRA, Paulo; HALL, Aline Gallash; GONÇALVES, Maria José, Arte nas Auto-Estradas, Brisa, Lisboa, 2001.
PEREIRA, José Fernandes, Dicionário de Escultura Portuguesa. Lisboa, 2005.
Fotografo: DRCC
Ano de Registo Fotográfico: 2010
 SEM TÍTULO px
 
 
Itens no mesmo Concelho