px acessibilidade mapa do site contactos pesquisa área de entidades copyright       
px
px Delegação px Noticias px Eventos px Entidades px Museu px Formulários px FAQ px Hiperligações px Procedimentos Concursais Comuns px Contratação Pública px
px
px
Distrito de Leiria   Distrito de Coimbra   Distrito de Coimbra (2)   Distrito de Viseu   Distrito de Aveiro   Distrito de Aveiro (2)
px

Museu > Distrito de Viseu > Concelho de Santa Comba Dão >
MOISÉS INSTAURANDO A ORDEM SOBRE O CAOS

Autor: Leopoldo de Almeida
Localização: Santa Comba Dão, Freguesia de Santa Comba Dão; Tribunal de Santa Comba Dão;
Coordenadas: N 40° 26' 54" W 8° 07' 24"
Data de Inauguração: 1964
Promotor: Ministério da Justiça
Materiais: Granito
Dimensões: 3,50m x 6,50m
Descrição: No baixo-relevo assente na fachada principal do edifício a composição Moisés instaurando a ordem sobre o caos é uma exaltação e metáfora que compara a epopeia de Moisés à de Oliveira Salazar.
Na composição Moisés encontra-se ao centro estabelecendo a ordem com o braço direito levantado e segurando na mão o seu bordão fazendo brotar água de uma rocha na direcção de um casal; a figura feminina está numa pose cabisbaixo e a masculina tem os braços erguidos. Do lado oposto, esquerdo, junto a uma árvore um homem segura e apoio no seu joelho outro homem de joelhos e desfalecido; uma figura feminina encontra-se atrás com a cabeça inclinada para o chão.
Leopoldo de Almeida conciliando o gosto naturalista e o espírito clássico com um conceito plástico subtilmente modernista, a sua obra sintetiza todo o ideário estético e ideológico veiculado pelo poder, e traduz de forma imponente a pretendida exaltação nacional.
Historial: O desenho foi da autoria de Leopoldo de Almeida e a passagem à pedra foi feita pelo canteiro J. Raimundo, de Pero Pinheiro. A obra foi inaugurada em 1965.
Tema encomendado pelo ministro Antunes Varela, que sugeriu ao escultor uma reactualização do quadro Tintoretto, Moisés fazendo brotar água da rocha (1577). Destinado a exaltar a vitória da ordem sobre o caos, este motivo escultórico, estabelecia um diálogo com a fronteira estátua de Oliveira Salazar (destruída), assinada pelo mesmo escultor, que assimilava a epopeia de Moisés à de Oliveira Salazar.

Bibliografia: NUNES, António Manuel, Justiça e Arte: Tribunais Portugueses, ed. Secretaria-Geral do Ministério da Justiça, Lisboa 2003;
NUNES, António Manuel, Espaços e Imagens da Justiça no Estado Novo, Templos da Justiça e Arte Judiciária, Coimbra, 2003;
PEREIRA, José Fernandes, Dicionário de Escultura Portuguesa, Lisboa, 2005.

Fotógrafo: José Alfredo
Ano de Registo Fotográfico: 2005
 MOISÉS INSTAURANDO A ORDEM SOBRE O CAOS px
 
 
Itens no mesmo Concelho