px acessibilidade mapa do site contactos pesquisa área de entidades copyright       
px
px Delegação px Noticias px Eventos px Entidades px Museu px Formulários px FAQ px Hiperligações px Procedimentos Concursais Comuns px Contratação Pública px
px
px
Distrito de Leiria   Distrito de Coimbra   Distrito de Coimbra (2)   Distrito de Viseu   Distrito de Aveiro   Distrito de Aveiro (2)
px

Museu > Distrito de Aveiro > Concelho de Aveiro >
ESTÁTUA DE JOSÉ ESTÊVÃO

Autor: José Simões de Almeida (Tio)
Localização: Aveiro, Freguesia da Glória, Praça da República
Coordenadas: N 400 38’ 25’’; W 80 39’ 14’’
Data de inauguração: 12 de Agosto de 1889
Promotor: Comissão promotora da construção da estátua, constituída por cidadãos aveirenses
Materiais: Bronze (estátua) e mármore (pedestal)
Dimensões: Estátua 3,70m x 1,10m x 1,10m / Pedestal 4,60m x 3,75m x 3,75m
Descrição: Estátua de bronze. Em 1888 Simões de Almeida (Tio), entendido como um escultor clássico com intenções para uma estética naturalista, concebe a estátua de José Estêvão em que o notável tributo discursa perante os pares, numa pose bastante dinâmica. A estátua está colocada, como acontecia na época, sobre um pedestal mais ou menos baixo, acessível ao olhar dos transeuntes. O Naturalismo da obra revela-se na face, nos cabelos, principalmente nas naturais pregas da roupa, bem como na posição da cabeça a qual está colocada o mais natural possível devido a uma técnica que utilizava – pequeníssima rotação e inclinação.
A estátua assenta sobre um pedestal de secção quadrangular, em pedra mármore, ostentando, nas suas quatro faces, várias inscrições alusivas ao homenageado, tendo na parte frontal “1809 – 1862. A José Estêvão Coelho de Magalhães. A cidade de Aveiro. 12 de Agosto de 1889.” no lado direito “Discursos: Profissão de fé; Porto Pireu; Suspensão de Garantias; Charles et Georges; Irmãs da Caridade; Defesa do Jornal Legitimista; O Portugal Velho.”, na parte Posterior “Serviços a Aveiro: Melhoramentos da Barra; Lyceu; caminho de ferro; iniciação da viação pública.”, no lado esquerdo “Feitos militares: Defesa da Serra do Pilar, 13 e 14 de outubro de 1832 / Flecha dos mortos, 25 de Julho de 1833 / Revolta de Torres Novas, 1844 / Revolução popular, 1846 – 1847.”

Epígrafes e coroas honoríficas:
Na parte frontal: Coroa em bronze com a inscrição “A José Estêvão Coelho de Magalhães. Agosto. O Grande Oriente Lusitano Unido. 1889.”, e Epígrafe, em mármore, com brasão da cidade e inscrição a capitais em bronze “A José Estêvão Coelho de Magalhães no centenário da sua morte. Homenagem do Povo de Aveiro e seu município 1862 – 1962.”; No lado direito: Coroa em bronze com lista com a inscrição “A José Estêvão Coelho de Magalhães. Em nome da liberdade. Os aveirenses rezidentes em Lisboa. 1889”; na parte Posterior: Coroa em bronze com lista com a inscrição “A José Estêvão Coelho de Magalhães / A Sociedade de Recreio Artístico 1809 – 1909.", Epígrafe talhada em forma de livro, em mármore, com a inscrição na folha esquerda -“... para mim é um grande absurdo isto de religião da maioria. A religião é da consciência e na consciência não há maioria nem minoria...” José Estêvão, Discurso Parlamentar de 9-7-1861 / “Proletários de todo o mundo uni-vos” Karl Marx.”, na folha direita “Ao grande orador liberal José Estêvão Coelho de Magalhães e à cidade de Aveiro. / Recordação da visita dos operários portuenses em excursão promovida pelo Grupo de Propaganda da Fraternidade Social em 11 –8-1901.”, no lado esquerdo: Coroa de bronze com a inscrição “Os estudantes de Aveiro a 12 do 8 de 89 (assinatura: M P Azevedo).”, Coroa de louros em bronze com a inscrição “A José Estevam, 26 – XII – 1809 / A Maçonaria do Porto, 26 - XII – 1909 (assinatura da oficina: Fundição Campo do Bou, Porto)”.

Historial: José Estêvão Coelho de Magalhães nasceu a 26 de Novembro de 1809 em Aveiro. Deixou a sua cidade natal para cursar Direito em Coimbra. Em 1837 foi eleito deputado pelo círculo de Lisboa passando, a partir de 1851, a sê-lo por Aveiro (excepto em 1855, que o foi novamente por Lisboa).
As cidades de Lisboa e Aveiro, como homenagem ao desempenho do grande tribuno, edificaram estátuas em sua honra. Quanto à de Aveiro sabemos que, em 1880, foi eleita uma comissão que viria a ser responsável por erigir a estátua e que o seu autor foi José Simões de Almeida. As obras de assentamento da estátua foram dirigidas por Manuel Homem de Carvalho Christo. Aliás, aquando a colocação da primeira pedra no monumento, a 8 de Maio de 1882, realizara-se uma primeira cerimónia.
Em Agosto de 1888 a estátua encontrava-se a ser fundida no Arsenal do Exército (Lisboa) com bronze que o Estado português oferecera através de concessão por Lei de 3 de Junho de 1882. Em Abril do ano seguinte, foi transportada por via-férrea para Aveiro. A estátua foi colocada no seu actual local no dia 20 de Julho, mas a sua inauguração decorreria, apenas, a 12 do mês seguinte. Para o efeito realizou-se outro cortejo cívico pelas principais artérias da cidade organizado segundo o esquema das comemorações do III centenário de Camões. Ao longo do tempo a estátua viria a ser enriquecida com várias placas epigráficas e coroas honoríficas.
A estátua foi construída por subscrição pública em 1892. O projecto geral é do professor João Romão; a escultura de Simões de Almeida; o pedestal, em mármore, das oficinas Moreira Rato e Filhos, de Lisboa, e a fundição do Arsenal de Marinha.

Bibliografia: NOGUEIRA, V., José Estevão na Tribuna da vida, Boletim Municipal de Aveiro, nº 22 (1993), pp.33-36;
RANGEL DE QUADROS, Aveirenses notáveis, Apontamentos históricos. Câmara Municipal de Aveiro, 2000.

Fotografo: José Meneses
Ano do registo fotográfico: 2005

 ESTÁTUA DE JOSÉ ESTÊVÃO px